Domingo
20 de Maio de 2018 - 
* NARRA MIHI FACTUM, DABO TIBI JUS *
* DÁ-ME OS FATOS, QUE LHE DAREI O DIREITO *

Acompanhe seu Processo

Insira seu email e senha cadastrados para acesso:

Previsão do tempo

Hoje - Belém, PA

Máx
33ºC
Min
23ºC
Pancadas de Chuva

Segunda-feira - Belém, ...

Máx
33ºC
Min
23ºC
Pancadas de Chuva

Terça-feira - Belém, P...

Máx
32ºC
Min
23ºC
Pancadas de Chuva

Quarta-feira - Belém, P...

Máx
31ºC
Min
23ºC
Pancadas de Chuva

Newsletter

Notícias

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
Espanha 0% . . . .
França 0,43% . . . .
Japão 1,86% . . . .

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 3,75 3,75
EURO 4,41 4,42
PESO (ARG) 0,15 0,15
GUARANI 0,00 0,00
IENE 0,03 0,03
LIBRA ES ... 5,05 5,05

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Acolhimento de crianças terá novo sistema

Os espaços que abrigam crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social e risco pessoal e social, na Região Metropolitana de Belém, passarão a adotar um novo sistema de acolhimento, que levará em conta as diferenças de idade e gênero desse público. A decisão de ordenar os critérios para acolher crianças e adolescentes foi tomada durante reunião, realizada nesta segunda-feira, 14, entre a equipe da Coordenadoria da Infância e Juventude (Ceij), do Tribunal de Justiça do Pará (TJPA), e da Fundação Papa João XXII (Funpapa). Na reunião, também foi definida a criação de um grupo interinstitucional de discussão sobre famílias acolhedoras. Atualmente, as instituições possuem um sistema de acolhimento misto, que abrange diferentes perfis, e coloca no mesmo espaço crianças e adolescentes de gêneros, idades e vivências diferentes. Segundo as instituições acolhedoras, essa combinação de persos perfis ameaça a integridades de crianças e adolescentes acolhidos e dos profissionais que trabalham nas instituições. Representantes das instituições sugeriram o reordenamento nesse modo de acolhimento. A Ceij lançou a proposta de que o acolhimento seja segmentado por faixa etária, separando assim, crianças até 12 anos de adolescentes. A proposta foi votada e aprovada pelos representantes dos espaços acolhedores presentes, e será encaminhada para avaliação final do gestor da Funpapa. Na votação, os representantes decidiram também pela criação de um grupo interinstitucional de trabalho sobre famílias acolhedoras, a fim de ampliar a discussão sobre o tema. Essa prática é feita por famílias voluntárias, garantindo o acesso ao convívio familiar e comunitário por crianças acolhidas até sua reintegração à família ou sua adoção. Para o juiz auxiliar da Ceij, João Augusto Oliveira Junior, a reunião alinhou os objetivos semelhantes de todos os órgãos no diálogo e no fortalecimento da rede de proteção à criança e ao adolescente. “O que conseguimos hoje foi reordenar o acolhimento de uma maneira equitativa para que todas as instituições envolvidas estejam satisfeitas, e avançamos para aquilo que é o ideal para as crianças e adolescentes que estão sem família, que é colocá-los em uma família acolhedora, substituindo as instituições de acolhimento. Na família acolhedora elas terão a oportunidade de vivenciar a convivência familiar e comunitária, o que é mais difícil de se fazer nos espaços de acolhimento. E o custo da família acolhedora é muito menor para o município que a manutenção de entidades de acolhimento. Isso faz com que fortaleça todo o sistema de garantia de direitos da infância e juventude”. Para o coordenador da Ceij, desembargador José Maria do Rosário, a reunião foi importante porque atingiu pontos cruciais no diálogo entre as instituições. “Conseguimos realmente atingir nosso objetivo de reordenar o acolhimento. Nossa proposta foi acordada pela Funpapa e foi muito bom. Outo ponto discutido foi criar um grupo para discutir família acolhedora, que é uma proposta já prevista dentro da Funpapa, é um trabalho que está sendo feito e vamos ampliar a discussão”, disse o magistrado. A coordenadora da Proteção Social Especial de Alta Complexidade da Funpapa, Maria das Neves Alves avalia a importância do acompanhamento sistemático de persos órgãos na garantia de direitos a crianças e adolescentes. “O sistema de garantia de direitos sempre esteve conosco, existe um acompanhamento, fazemos várias reuniões com a Ceij, o Juizado da Infância e Juventude e é muito importante estarmos juntos, porque o usuário é um só. O TJPA precisa caminhar junto conosco, e a Funpapa está aberta a contribuições, como aconteceu hoje”, comentou. A equipe da Coordenadoria da Infância e Juventude contou com a presença do desembargador coordenador, José Maria Teixeira do Rosário, e dos juízes auxiliares da Ceij, João Augusto Figueiredo de Oliveira Junior e Antônio Claudio Von Lohrmann Cruz. Compareceram também representantes dos espaços de acolhimento Euclydes Coelho, Recomeçar, Dulce Accioli e Ronaldo Araújo.
Fonte:
TJ Para
14/05/2018 (00:00)

Contate-nos

Advocacia & Consultoria Jurídica Galvão

Conselheiro Furtado n°  2391  Ed. Belém Metropolitan sl 1202
-  Cremação
 -  Belém / PA
-  CEP: 66040-100
+55 (91) 21211601+55 (91) 983642001
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Visitas no site:  1480583
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.