Quarta-feira
15 de Agosto de 2018 - 
* NARRA MIHI FACTUM, DABO TIBI JUS *
* DÁ-ME OS FATOS, QUE LHE DAREI O DIREITO *

Acompanhe seu Processo

Insira seu email e senha cadastrados para acesso:

Previsão do tempo

Domingo - Belém, PA

Máx
35ºC
Min
24ºC
Poss. de Pancadas de

Segunda-feira - Belém, ...

Máx
33ºC
Min
24ºC
Pancadas de Chuva a

Terça-feira - Belém, P...

Máx
33ºC
Min
24ºC
Pancadas de Chuva

Hoje - Belém, PA

Máx
33ºC
Min
24ºC
Pancadas de Chuva

Newsletter

Notícias

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
Espanha 0% . . . .
França 0,43% . . . .
Japão 1,86% . . . .

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 3,74 3,74
EURO 4,37 4,37
PESO (ARG) 0,15 0,15
GUARANI 0,00 0,00
IENE 0,03 0,03
LIBRA ES ... 5,00 5,00

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Rejeitado HC de ex-prefeito de Januária (MG) condenado por associação criminosa e lavagem de dinheiro

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou seguimento (julgou incabível) ao Habeas Corpus (HC) 156543, no qual a defesa do ex-prefeito de Januária (MG) Maurílio Neris de Andrade Arruda buscava sua liberdade ou a substituição da prisão por medidas cautelares alternativas. Arruda foi condenado a nove anos e cinco meses de reclusão, no regime inicial fechado, pelos crimes de associação criminosa, desvio de valores e lavagem de dinheiro, praticados durante sua gestão na prefeitura do município. O HC foi impetrado contra decisão monocrática do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que negou liminar em habeas corpus lá apresentado pela defesa. De acordo com o ministro Gilmar Mendes, o ato do STJ não é manifestamente contrário à jurisprudência do Supremo nem é caso de flagrante hipótese de constrangimento ilegal. Assim, o ministro não afasta a aplicação da Súmula 691 do STF (não compete ao Supremo conhecer de habeas corpus impetrado contra decisão do relator que, em HC requerido a tribunal superior, indefere a liminar). O ministro apontou ainda que tanto o STJ como o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJ-MG), que também negou liminar em habeas corpus ao ex-prefeito, afirmaram não ser cabível a concessão de medida cautelar, diante da ausência dos pressupostos do fumus boni iuris (plausibilidade jurídica do pedido) e do periculum in mora (perigo da demora). No HC 156543, a defesa do condenado alegava o direito à detração penal (desconto do tempo de prisão provisória na pena privativa de liberdade), em razão do cumprimento de custódia domiciliar por um ano e três meses, à progressão ao regime semiaberto e à autorização para o trabalho externo e saída temporária.
01/06/2018 (00:00)

Contate-nos

Advocacia & Consultoria Jurídica Galvão

Conselheiro Furtado n°  2391  Ed. Belém Metropolitan sl 1202
-  Cremação
 -  Belém / PA
-  CEP: 66040-100
+55 (91) 21211601+55 (91) 983642001
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Visitas no site:  1724701
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.