Quinta-feira
13 de Dezembro de 2018 - 
* NARRA MIHI FACTUM, DABO TIBI JUS *
* DÁ-ME OS FATOS, QUE LHE DAREI O DIREITO *

Acompanhe seu Processo

Insira seu email e senha cadastrados para acesso:

Previsão do tempo

Hoje - Belém, PA

Máx
32ºC
Min
23ºC
Pancadas de Chuva

Sexta-feira - Belém, PA

Máx
30ºC
Min
24ºC
Pancadas de Chuva

Sábado - Belém, PA

Máx
30ºC
Min
23ºC
Pancadas de Chuva

Domingo - Belém, PA

Máx
26ºC
Min
23ºC
Pancadas de Chuva

Newsletter

Notícias

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
Espanha 0% . . . .
França 0,43% . . . .
Japão 1,86% . . . .

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 3,86 3,86
EURO 4,39 4,39
PESO (ARG) 0,10 0,10
GUARANI 0,00 0,00
IENE 0,03 0,03
LIBRA ES ... 4,88 4,88

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Acusados de homicídio são condenados a 24 e 20 anos de reclusão

Jurados do 3º Tribunal do júri de Belém, presididos pela juíza Ângela Alice Alves Tuma, condenaram por maioria de votos Yago Wendel Neves e Rodrigo Pinheiro Santos, 24 anos, este último foragido da Justiça. A acusação é de que os réus em conjunto com mais três pessoas torturam e executaram Pedro Victor Marim, 18 anos, estudante. O motivo do crime foi dívida de droga. Por maioria dos votos, os jurados acolheram a tese acusatória sustentada pela promotora de justiça Ana Maria Magalhães, rejeitando a tese de negativa de autoria sustentada pelos advogados Oldemar Pereira Alves e Maria Fernanda Santos, que atuaram em defesa dos acusados. Com base da decisão do Conselho de Sentença que reconheceu, por maioria de votos, que os réus praticaram o crime de homicídio qualificado, por motivo torpe, usando de meio cruel e de recurso que impossibilitou a defesa da vítima, sendo aplicada a Yago Neves a pena de 14 anos de reclusão será cumprida em regime inicial fechado. Coube a Rodrigo Santos, que não compareceu ao júri e está foragido, a pena de 20 anos de reclusão para ser cumprida em regime inicial fechado, sendo mantida a prisão do réu que se encontra preso desde a época do crime Em relação a Rodrigo foi expedido decreto de prisão, para sua recaptura. Em interrogatório o réu disse que era usuário de droga e nunca traficou. A versão de Yago é que comprava da vítima sua droga, Skank (tipo concentrado de maconha), para não ir à “boca de fumo”. O réu alegou que a vítima vendia mais cara a droga que comprava por um preço baixo de traficantes do Bairro Cabanagem. O réu que tinha confessado o crime à Policia a autoria delitiva, negou a autoria e disse ter sido forçado a confessar o crime, e que a vítima por ser usuária de drogas, para sustentar o vício vendia para os amigos, que não lhe pagavam, acumulando uma dívida no valor de 5 mil reais com o traficante. Conforme o acusado a vítima teria lhe pedido carona em seu veículo para ir até um endereço arranjar dinheiro com outras pessoas e por isso a vítima foi vista entrando no carro do réu em companhia de outro consumidor. Depoimentos de testemunhas incluindo os pais da vitima relataram que Pedro Marim era um jovem que passou a consumir droga e para sustentar o vício começou a traficar para Yago. Ainda pelos relatos dos pais da vítima, o jovem foi preso por policiais quando estava vendendo a droga de Yago, em Cotijuba. Para não ficar apreso, entregou aos policiais dinheiro, no valor de 600 reais, e uma quantidade de maconha. Após esse episódio, o jovem passou a sofrer ameaças e ficou “prisioneiro do traficante Yago”, passando a ser “o aviãozinho dele”, disse a mãe em seu depoimento. Os pais disseram que o filho, desesperado, tinha contado o que estava enfrentando, tendo a mãe se prontificado em falar com Yago, que o conhecia desde a infância e que pagaria a dívida do filho, mas o filho foi morto antes. Os três outros acusados Eder Cleuson de Araujo está recorrendo da sentença de pronuncia. Os dois outros Danilo Menezes Carvalho e Diego Wingleson da Silva estão com prisões decretadas e tiveram o processo separados e ainda não foram localizado pela policia . Informações do processo Conforme acusação, o crime cometido por volta da 19h, do dia 27/10/2015, no Conjunto Gleba III da Cohab, atraíram a vítima para o interior do carro de um familiar de Yago Neves onde se encontrava também mais dois acusados. A vítima foi atraída para o veículo conduzido por Yago Neves, de propriedade de seu avô, até a rua Tapajós, onde os jovens residiam. No local, a vítima retirada do veículo foi amarrada, espancada e torturada, pelos comparsas de Yago, sendo obrigada a pedir pela sua vida para Churrasquinho e em seguida foi atingida por três disparos, uma na testa e dois na face. Toda a ação foi gravada na câmara do celular da própria vítima e compartilhada nas redes sociais que o jovem fazia parte. Conforme apurad,o Churrasquinho era outro fornecedor de droga da área rival de Yago Neves. Após a sessão de tortura e espancamento, a vítima foi executada com três disparos no rosto (uma na testa e dois na face). O corpo da vítima foi localizado cerca de cinco horas despois do crime pela Polícia, com um bilhete escrito no copo “Churrasquinho mau, vacilou é sal”.
Fonte:
TJ Para
16/05/2018 (00:00)

Contate-nos

Advocacia & Consultoria Jurídica Galvão

Rua Tiradentes n°  391  Sala 04
-  Reduto
 -  Belém / PA
-  CEP: 66053-330
+55 (91) 21211601+55 (91) 983642001
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Visitas no site:  2052653
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.