Quarta-feira
26 de Setembro de 2018 - 
* NARRA MIHI FACTUM, DABO TIBI JUS *
* DÁ-ME OS FATOS, QUE LHE DAREI O DIREITO *

Acompanhe seu Processo

Insira seu email e senha cadastrados para acesso:

Previsão do tempo

Hoje - Belém, PA

Máx
34ºC
Min
24ºC
Pancadas de Chuva a

Quinta-feira - Belém, P...

Máx
33ºC
Min
24ºC
Pancadas de Chuva a

Sexta-feira - Belém, PA

Máx
29ºC
Min
24ºC
Poss. de Panc. de Ch

Sábado - Belém, PA

Máx
34ºC
Min
23ºC
Parcialmente Nublado

Newsletter

Notícias

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
Espanha 0% . . . .
França 0,43% . . . .
Japão 1,86% . . . .

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 4,13 4,13
EURO 4,86 4,86
PESO (ARG) 0,11 0,11
GUARANI 0,00 0,00
IENE 0,04 0,04
LIBRA ES ... 5,43 5,43

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Registro de imóveis terá isenção de custas

O Pleno do Tribunal de Justiça do Pará aprovou, em sessão realizada nesta quarta-feira, 16, minuta de anteprojeto de lei que visa acrescentar à Lei nº 8.367/2016, artigo determinando a isenção de emolumentos e custas em casos de imóveis atingidos por transferências de circunscrição territorial estabelecidos pela referida lei, a qual definiu as competências territoriais dos registros de imóveis em Belém em razão da necessidade de instalação do Cartório de 3º Ofício de Registros de Imóveis. Dessa maneira, não deverá o cidadão comum arcar com nenhum ônus, caso o registro de seu imóvel venha a ser afetado pela transferência de circunscrição territorial Assim, a minuta de anteprojeto de lei propõe que se acresça à Lei o Artigo 2º-A, que terá a seguinte redação: “As averbações procedidas de ofício, tais como as de encerramento de matrícula em virtude da transferência de circunscrição, bem como as de logradouros públicos e as concernentes ao transporte de ônus da matrícula, em virtude da circunscrição de cada um dos ofícios de Registro de Imóveis estabelecidos nos incisos dos artigos 1º e 2º desta lei, não estão sujeitas ao pagamento de emolumentos e custas”. Resolução – Ainda na parte administrativa extra-pauta, o Pleno aprovou minuta de resolução que dispõe a alteração da Resolução nº 01/2018, a qual determina a suspensão ou prorrogação do período de vitaliciamento de magistrados nas hipóteses de afastamento legal por período superior a 90 dias, ininterruptos ou não. A suspensão ou prorrogação será de período igual ao de afastamento legal. No caso da minuta de resolução deliberada na sessão do Pleno desta quarta-feira, 16, excepcionasse da regra os afastamentos decorrentes de licença maternidade, licença paternidade e licença adotante. PAD - Por maioria de votos de seus integrantes, o Pleno decidiu pela abertura de Processo Administrativo Disciplinar contra o juiz Roberto Cezar Oliveira Monteiro, por suposta desobediência à Lei Orgânica da Magistratura Nacional e ao Código de Ética da Magistratura Nacional. O PAD foi instaurado em apreciação de Autos de Sindicância relatado pelo desembargador José Maria Teixeira do Rosário, originados a partir de Reclamação feita pelo Banco do Brasil, que alegou ter o juiz imposto a execução de multa inexistente à instituição. De acordo com o processo, a instituição bancária foi condenada em Ação Cautelar Preparatória de Exibição de Documentos movida por um cliente. Como não cumpriu a decisão na íntegra, foi-lhe aplicada multa no valor de R$ 10 mil por dia de descumprimento, somando 82 dias de desobediência. O Banco recorreu através de Agravo de Instrumento, o qual, conforme a decisão, desconsiderou a aplicação de multa por ser a mesma incabível em tais ações de exibição de documentos. No entanto, o magistrado, que atuou apenas na fase de execução da sentença, determinou o cumprimento também da cobrança da multa. Dessa maneira, de acordo com os desembargadores integrantes Pleno, o juiz Roberto Monteiro teria incorrido em infração ao artigo 35, inciso I da Lei Orgânica da Magistratura, que aponta como dever do magistrado “cumprir e fazer cumprir, com independência, serenidade e exatidão, as disposições legais e os atos de ofício”. O magistrado teria violado ainda os artigos 1º, 2º, 8º e 25 do Código de Ética da Magistratura Nacional, que também discorrem sobre os deveres e as responsabilidades do magistrado, além de determinar-lhe prudência e cautela no exercício da função, sobretudo quando da prolação de decisões. Conforme destacou o desembargador corregedor em seu voto, com a instauração do PAD não se está promovendo qualquer condenação prévia do juiz, uma vez que o que se pretende com o procedimento é a apuração dos fatos de forma mais específica, para que não restem dúvidas sobre o comportamento do magistrado. Ao final, o presidente do TJPA, desembargador Ricardo Ferreira Nunes, procedeu o sorteio, sendo escolhida a desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães para atuar como relatora do PAD.
Fonte:
TJ Para
16/05/2018 (00:00)

Contate-nos

Advocacia & Consultoria Jurídica Galvão

Conselheiro Furtado n°  2391  Ed. Belém Metropolitan sl 1202
-  Cremação
 -  Belém / PA
-  CEP: 66040-100
+55 (91) 21211601+55 (91) 983642001
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Visitas no site:  1853939
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.